Devaneios de um Caminhante Solitário

25 dezembro, 2006

O Fim

É definitivo. Escolhi este dia para pôr fim a esta aventura já que foi, precisamente, no dia de Natal que decidi criar um blog. Depois de mais de 6000 visitas, 11 e 600os page views e 180 posts, os Devaneios finalmente terminaram. O balanço é razoável mas nada que me prenda a continuar, pelo menos, nos tempos mais próximos. De facto - e como se costuma dizer - "a vida dá muitas voltas" e chegou a altura de reflectir sem ser necessário público. A todos os leitores assíduos e, principalmente, a todos os que demonstraram interesse em comentar, os meus mais sinceros agradecimentos.

Pela última vez,

Luís Bordalo e Sá

No Meu Natal

... faltou-me dar um presente.

16 novembro, 2006

Pequenos Grevistas

Os noticiários abriram hoje com a notícia de uma greve dos alunos do ensino secundário. Parece que protestam com as aulas de substitiuição. Como por ter já passado pelo secundário - a saber bem como funcionam certas mentalidades, designadamente as dos "estudantes" -, o único comentário que me apetece fazer é: deixem-se de palhaçadas. A realidade dos nossos dias (e em sentido acentuadamente progressivo) é a de que os estudantes cada vez querem fazer menos, mas cada vez têm mais "esquemas" para se "baldarem" às aulas. Basta ir verificar as médias de entradas nas faculdades para fundamentar esta conclusão: cada vez são mais baixas, cada vez os chamados números clausulos não são preenchidos. Os estudantes de hoje não querem saber dos estudos e esta greve demonstra isso mesmo, senão vejamos: o que eles "exigem" é que se acabe com as aulas de substituição. Para quê? Obviamente, para irem estudar em casa, fazer os TPCzinhos, jantar e cama. Irem para o Colombo pastar? Irem para casa ver a Floribella? Irem jogar à bola ou ir roubar os "putos" mais novos? Nada disso! Querem é aproveitar os "furos" para... irem estudar! A questão que se poderia aqui colocar é a seguinte: mas esse acérrimo desejo de estudo não poderia, eventualmente, ser saciado nas... aulas de substituição? É óbvio que não! É muito melhor poderem ir estudar para casa, sem a presença de um professor (que, eventualmente, poderia ajudar nessa tarefa) até porque os nossos estudantes do secundário são modelos de aplicação e responsabilidade para toda a Europa... (mas será que alguém ainda acredita nisto?!)

Os professores? Esses, preferem fazer vigílias e (muito provavelmente) fazer coincidir as greves estudantis com as suas próprias greves de forma a "tornar isto tudo desorganizado e num fórróbódó (vide post anterior)" . Em relação às aulas de substituição (e, neste aspecto, até posso concordar com os alunos), o plano da maior parte dos professores passa por pôr os miúdos a jogarem às cartas e ao "stop", o que é bem demostrativo da excelente pedagogia e do sentido de responsabilidade que incutem às crianças de hoje. De facto, se os professores não quiserem aproveitar a oportunidade dada pelas aulas de substituição para poder avançar com a matéria das suas próprias disciplinas (que, invariavelmente, grande parte dela fica por leccionar), ponham os estudantes a fazer cópias. Pode ser que haja uma redução dos erros ortográficos - infelizmente cada vez mais frequentes nos escritos dos portugueses.

07 novembro, 2006

Ainda Maior Entrevista a Alberto João Jardim



E por fim, um regresso em grande daquilo a que os gatos já nos tinham habituado.

A brincar, a brincar... esta era uma entrevista perfeitamente plausível dado o tipo de "personagem" que AJJ já nos habituou.

30 outubro, 2006

Blogue do Sim

Desta vez - e para variar - concordo com o Louçã quando diz que o "voto sim é o voto da consciência". Uma coisa que estes Senhores não perceberam é que não se vai votar "a favor do aborto". Vota-se, isso sim, "a favor da despenalização da interrupção voluntária da gravidez".

Gatos Fraquinhos

O novo programa dos "Gato Fedorento", que passou hoje na televisão pública, foi muito, muito mau. Sempre fui dos mais acérrimos defensores destes quatro humoristas mas - há que dizê-lo - este seu novo programa, pura e simplesmente, não funciona. Como ainda hoje comprova as audiências das séries exibidas na SIC Radical, o formato dos "sketch" é o mais acertado. O que se viu neste "Diz que é uma magazine" foi uma conversa entre eles, pouco conseguida (e ensaiada, acrescente-se) e com introdução de algumas representações humorísticas (mas sem graça nenhuma) sobre a realidade. A demasiada insitência, por exemplo, na "Floriseca", foi - como a própria novela - infeliz (quiçá por não diferir muito da realidade...). Salvou-se deste descalabro a imitação (de escassos 30 segundos) do Paulo Bento e a música dos "Da Weasel", claro está, na parte em que não foi interrompida por - nas próprias palavras do RAP -"comentários estúpidos" aos quais eu acrescentaria "sem graça e absolutamente desnecessários". A ver vamos se não foi uma espécie de "princípio do fim" deste quarteto. Espero bem que não.

20 outubro, 2006

A Pergunta do Aborto

Aborto: Proposta de referendo aprovada pelo PS, PSD e BE

Parece que, à terceira tentativa, vai mesmo (até ver...) haver referendo. Do debate na A.R. de hoje, o ponto mais alto foi a própria... pergunta (Concorda com a despenalização da interrupção voluntária da gravidez, se realizada, por opção da mulher, nas primeiras 10 semanas, em estabelecimento de saúde legalmente autorizado?)! Serviu, essencialmente, para mostrar que o CDS ainda tem um ou dois deputados que dizem qualquer coisa (mesmo que ridícula); para, finalmente, o B.E. ter uma "vitoriazinha"; para fomentar o carácter pluralista do PS e do PSD com deputados seus a absterem-se; e para o PCP demonstrar que não consegue - ideologicamente - votar favoravelmente em qualquer-proposta-de-qualquer-Governo-de-qualquer-Partido-que-seja (desculpem a cassete...).

P.S.- Uma boa notícia: Odete Santos suspende mandato por 50 dias na sexta-feira
É que já não há paciência...

As Taxas Moderadoras

O ministro da Saúde, Correia de Campos, afirmou hoje que o aumento das taxas de internamento e para cirurgias ambulatórias terá um impacto financeiro de cerca de nove milhões de euros (9 M€) no próximo ano.

Muito sinceramente, não consigo entender este gigantesco alarido por causa de um taxa moderadora absolutamente simbólica. Quando o custo médio da diária de um internamento num Hospital é de 480 euros, uns meros 5 euros por dia não pecará, afinal, por defeito? Pelos menos pode ser que dissuada as estadias grátis de muitos (demasiados, leia-se) utentes... Qualquer dia ainda se lembram de se barricar num centro de saúde.

O Secretário de Estado Adjunto da Indústria e da Inovação

O secretário de Estado Adjunto da Indústria e da Inovação declarou que «a culpa» do aumento de 15,7% da electricidade para os consumidores domésticos em 2007 é do consumidor, porque esteve vários anos a pagar menos do que devia.

Como me disse um amigo, num país "a sério", esta má disposição (entretanto retratada...) de um tal de António Castro Guerra, traria como consequência a sua imediata demissão...

SIMPLEX

Avaliação do SIMPLEX aponta para nível de execução de 84%

Pelo menos, ontem, quando tive de ir renovar o meu B.I. só esperei 2 min. E tive que me medir.

Duas Questões:

Porque é que um filme cujo título orginal é "Palais Royal" é traduzido para português como "Dondoca à Força"? Não seria já altura de pararem com este tipo de traduções absolutamente ridículas e que só desprestigiam o filme em si?

11 outubro, 2006

Choque Tecnológico

Acordo entre Estado português e MIT

Para quem duvidava, aí está.

Sobre o Último Post

"A impunidade chegou a um ponto tal que a nomenclatura madeirense não se preocupa sequer em esconder-se atrás de qualquer manto diáfano, antes se compraz numa exibição ostensivamente hardcore e à luz do dia"

Vicente Jorge Silva, Diário de Notícias

09 outubro, 2006

Basta, Jardim!

O secretário-geral do PS, José Sócrates, declarou, hoje, no Funchal, que é tempo de dizer "basta" à actuação do Governo Regional, numa alusão ao endividamento em 150 milhões de euros detectado na Madeira pelo Ministério das Finanças.

Finalmente parece que temos alguém com coragem para por cobro à escandalosa situação que se vive com a Madeira e com o seu Presidente Regional. Mas quando é que a Lei de limitação de Mandatos começa a produzir efeitos concretos?

A Não-Obsessão

Ribeiro de Castro afirma não estar obcecado com vida interna do CDS-PP

Eu diria mesmo que Ribeiro e Castro não está rigorosamente NADA preocupado com a vida interna de um partido que caminha, a cada dia que passa, para a extinção.

08 outubro, 2006

De Saudar

O regresso do António à denominada Blogosfera. Fazia falta.

04 outubro, 2006

Os "Doutos"

Já há algum tempo que pensava em escrever algo sobre este tema que, confesso, entusiasma-me. Sempre tive grande fascínio por certas “mentes brilhantes” que, em tempos de antena nos media (alguns deles, pagos por todos nós…) conseguem abordar temas perfeitamente acessíveis a todos de uma maneira que só alguns “predestinados” entendam. Ricardo Araújo Pereira, o mais famoso “gato fedorento”, na sua crónica semanal na revista Visão, antecipou-se. O tema escolhido é, como não poderia deixar de ser, o futebol e a “personagem” é um tal de Luís Freitas Lobo, colunista do Público e comentador de programas televisivos na televisão dita, também ela, pública. Diz RAP que “lemos um parágrafo de LFL sobre futebol e apercebemo-nos de imediato que não temos formação suficiente para assistir ao Paços-Ferreira Vs Beira-Mar, quanto mais a jogos da Liga dos Campeões”. No último artigo de LFL no Público, a palavra transição (seja ela defensiva, atacante, de contra-ataque ou outra qualquer) aparece escrita cinco vezes contra zero de "fintas", "remates" e - apenas - uma (!) da palavra "golo" que, muito resumidamente, é o objectivo de um jogo chamado “Futebol”. RAP dá outros exemplos da mestria e sabedoria invejáveis de LFL como são os seus “canais de penetração preferenciais”, a “manutenção posicional”, “o problema táctico conceptual” ou, se preferirem, “o facto de um jogador deixar de percepcionar simultaneamente (atenção!) a defesa e o ataque”, de “fazer um movimento de dentro para fora e de assumir o jogo de trás para a frente, com grande intensidade”. RAP, por sua vez, esclarece que “estamos todos fartos de jogadores que não são grandemente intensos com a bola”.

Já antes, nos primórdios dos “Devaneios”, tinha criticado este tipo de “doutos”. Na altura, foi sobre um livro a explicar o “porquê de tantas vitórias de José Mourinho” e que, numa das passagens que folheei, apareciam frases (dignas de um qualquer Prémio Nobel da Literatura) como esta: “Este princípio metodológico fundado na concretização dinâmica da metodologia de José Mourinho pode ser designado por Princípio da alternância horizontal em especificidade. Há uma invariância de preocupação – a operacionalização do modelo de jogo – mas a escala a que isso vai acontece vai ser diversa”. É caso para perguntar: O QUE É ISTO? Será que os próprios escritores destes “brilhantismos” são, eles próprios, capazes de interpretar os seus ditos? Very doubtful… Afinal, está estatísticamente provado que um dos principais problemas dos alunos do ensino básico é o facto de não conseguirem interpretar aquilo que lhes foi pedido numa pergunta.

03 outubro, 2006

Dilema sobre a Sinistralidade Rodoviária

Depois de aceso debate, aqui, há uns meses, parece que não foi preciso reduzir a taxa de álcool permitida no sangue para a sinistralidade rodoviária diminuir... 25 % (!). Mas então, será que os condutores portugueses tornaram-se, de um momento para o outro, ... civilizados?

De Novo

Depois deste - entre muitos outros, diga-se - escândalo, aparece este:

Avelino Ferreira Torres foi ilibado das suspeitas de corrupção

O Concerto

More Than a Thousand regressam com "The Hollow : Vol. 2" e concerto dia 14 de Outubro, no Santiago Alquimista.

Dilema sobre a Paz no Mundo

O "Gervásio" do Efeito Doppler apresenta o seguinte dilema:

Será que se deve manter o que se escreveu - ou ter certos cuidados em relação ao que se está para escrever - por uma questão de liberdade de expressão ou atender à possível sensibilidade de quem não percebeu a ideia?

Será que se pode aplicar, aqui, a "Teoria das Restrições Implícitas" no art. 18º CRP, de Jorge Miranda?

28 setembro, 2006

O Debate Mensal

Do debate mensal de ontem, nada de diferente, com Sócrates a voltar a dar aquilo a que se chama um "baile" aos deputados da oposição. Da "ala esquerda", mais do mesmo: a tentativa de salvaguardar direitos dos trabalhadores a todo o custo, tentando, para isso, penalizar as empresas mais bem sucedidas da nossa economia. Basicamente, uma proposta perfeitamente demagógica e nada razoável num momento que, parecendo que não, ainda é de crise. Todavia, aquilo que fica do debate de ontem foi o massacre completo a Marques Mendes e às propostas deste. Com Sócrates, ontem, a ocupar “sozinho” toda a esquerda nacional, a proposta social-democrata foi ridicularizada ao ponto da comparação desta com o Titanic onde só “escapam os passageiros de primeira-classe e tudo o resto náufraga”.
Sócrates é aquilo que mais bem representa a “geração Mourinho” na política: com o seu “q” de arrogância, utiliza os media e, em geral, todos os debates para defesa das suas ideias, não se abstendo também de “limpar” os seus adversários. E, tal como o “Special One”, vence. Quase sempre.

Art 114º Código Civil

Aos três anos de idade, Jack Neal tornou-se, temporariamente, proprietário de um automóvel descapotável cor-de-rosa, após comprá-lo pela Internet por 13377 euros

Artigo 114.º

(Anulabilidade dos actos dos menores)

1. Sem prejuízo do disposto n.º 2 do artigo 280.º, os negócios jurídicos celebrados pelo menor podem ser anulados:

a) A requerimento, conforme os casos, de quem exerça o poder paternal, do tutor ou do administrador de bens, desde que seja proposta no prazo de 1 ano a contar do conhecimento que o requerente haja tido do negócio impugnado, mas nunca depois de o menor atingir a maioridade ou ser emancipado, salvo o disposto no artigo 119.º;

b) A requerimento do próprio menor, no prazo de 1 ano a contar da sua maioridade ou emancipação;

c) A requerimento de qualquer herdeiro do menor, no prazo de 1 ano a contar da morte deste, ocorrida antes de expirar o prazo referido na alínea anterior.

2. A anulabilidade é sanável mediante confirmação do menor depois de atingir a maioridade ou ser emancipado, ou por confirmação de quem exerça o poder paternal, tutor ou administrador de bens, tratando-se de acto que algum deles pudesse celebrar livremente como representante do menor; tratando-se de acto para o qual o representante legal necessitasse de autorização do tribunal, pode o mesmo solicitar ao tribunal a sua confirmação, que a dará ou não atendendo aos interesses do menor.

27 setembro, 2006

Souto-Moura

PS chumba audição de Souto Moura por "não querer dar esse incómodo"

Espanta-me esta notícia de que o Partido Socialista chumbou o requerimento apresentado pelo Bloco de Esquerda para a audição no Parlamento do ainda procurador-geral da República por razões, ainda que ironizadas, se apresentam pouco explicativas. Que Souto-Moura é "fraquinho", isso, já todos sabem. No entanto, penso que seria conveniente que Souto-Moura fosse, uma última vez, ao Parlamento e desse alogumas explicações não só sobre o caso do "Envelope 9" mas, igualmente, sobre todos os outros (inúmeros) casos cujo julgamento já decorre...na praça pública. Até parece que é o próprio P.S. e Governo que não querem que este procurador fale, preferindo esperar pelo próximo...

19 setembro, 2006

O Futebol e a Regionalização no País da Corrupção

Como benfiquista convicto e assumido que sou, é-me algo desconfortável escrever qualquer coisa isenta e correcta sobre essa personalidade singular que é Jorge Nuno Pinto da Costa (como diz o meu pai, a única figura em todo o Portugal que é denominada pelos… 4 nomes!). Assim sendo, cito aqui a opinião do João Gonçalves, visto ser alguém conhecido pelo seu anti-futebolismo e que, por isso mesmo, é garantia de isenção no que a esta matéria diz respeito:

"O sr. Pinto da Costa, que andava desaparecido, surgiu ontem à noite a elogiar os autarcas e a regionalização, essa desgraça inaudita que reproduziria "pintos da costa" em miniatura por esse país fora. Como eles - os dirigentes futebolísticos da estirpe de Pinto da Costa e jamais os venais Vieira e companhia - Pinto da Costa sabe o que representa sofrer na carne a maledicência e a injustiça "talibãs" (sic). E, jurou, confia na "justiça". Ele lá deve saber por que é que confia. Eu também sei por que é que não confio."

Após interpelação, a explicação continua aqui.

Como é óbvio, no que diz respeito a esta matéria, não poderia estar mais de acordo com o João Gonçalves. Mal de nós se existissem 10 Pintos-da-Costa. A juntar com os Valentins, com as Felgueiras e com os Isaltinos, seria algo de muito mau, para ser brando...

18 setembro, 2006

Regresso

De volta ao mundo real, começo pelo jornalismo. Como em quase 130 mil (baseando-me na tiragem), o novo semanário - "Sol" - apareceu lá em casa. Confesso que ainda não interiorizei perfeitamente o saber ler um semanário. De facto, sinto alguma dificuldade em "pescar" no meio de tanta palha que por lá existe às toneladas. Ainda assim, após leitura em diagonal, o "Sol" pareceu-me menos tendencioso do que estava à espera (Nota: não, não há aqui nenhum trocadilho com o nome do Jornal, como qualquer dito bom comentador tem feito nestes últimos dias...). Sempre pensei que o surgimento de um novo semanário nesta altura do campeonato tivesse o mesmíssimo objectivo daquele que esteve na origem do já extinto "O Independente": afastar a maioria absoluta do poder. Pelo contrário, o novo jornal pareceu-me equilibrado e isento. Valeu, sobretudo, pela parte humurística causada pela entrevista a Maria Filomena Mónica que, a la José Mourinho versão feminina, desatou a apontar de um modo (demasiado) frontal diversas vicissitudes dos políticos da nossa praça. Gostei também do relato pormenorizado que se faz de todo o processo, desde ruptura à própria fundação do "Sol" e do modo em como "noticía" a acentuada perda de faculdades do "dono" da Comunicação, Pinto Balsemão. De facto, tomando como verdade aquilo que foi escrito, visualiza-se um Balsemão cada vez mais "embalsemado" com os sucessivos desastres da Impresa, onde pontifica a cada-vez-mais degradante SIC). Todavia, o "Sol" vale, esencialmente, pelo preço: 2 euros. É certo que não tem DVDs nem posters da Floribella, mas, mesmo assim, é capaz de compensar...
Outro tema "engraçado" foi o discurso de Ratzinger. Não vou sequer avaliar a sua aptidão para ser Bento XVI (porque, simplesmente, não o sei fazer) mas, é justo dizer, o novo papa disse algumas verdades. A questão que se coloca é se será oportuno um discurso deste teor e vindo de quem é. Passando a explicar melhor, parece-me óbvia, a mim, ocidentalista, a superioridade política e (porque não?) intelectual do Ocidente Democrático sobre um Oriente ensombrado pelo fundamentalismo religioso (ou seja, nem todo o Oriente) mas, será, na realidade, útil e correcto a um Papa propagandeá-la, ainda para mais quando (quer se queira, quer não) o líder político do Ocidente, é quem é?
Por último lugar, a Política. Neste aspecto, a única novidade é a tentativa - ridícula - de um "Bloco Central". A mando de Cavaco (e de Marcelo Rebelo de Sousa, é justo dizê-lo...), Marques Mendes tentou "socio-democratilizar" uma parte do Governo que, por acaso, até tem maioria absoluta. Concordo que em certas áreas, as chamadas de "fundamentais de um Estado de Direito Democrático" exista a necessidade de um maior concenso do que daquele que existe com os 153 deputados. Mas daí até Marques Mendes "pôr-se em bicos dos pés" e tentar, qual espécie de Primeiro-Ministro não eleito, transformar o dito acordo numa coligação... De fora do Consenso, ficaram os partidos da esquerda. Também, todos sabíamos qual seriam as suas posíções, não? (Nota: o lapso da falta de referência ao PP é propositado...).
Enfim, após algum tempo de ausência, o mundo e, em particular, o país está tal e qual como quando o deixei de comentar. Mais do mesmo.

14 setembro, 2006

14 de Agosto 2006

Faz hoje precisamente um mês que, por volta das 20 horas, recebi a notícia. Foi o pior momento da minha vida.

28 agosto, 2006

De Luto


Faz hoje duas semanas.

21 agosto, 2006

Reflexão

Quase uma semana depois do acontecimento, faltam-me as palavras. Ainda estou em choque. A dor de perder um filho, um irmão, enfim, um amigo, é brutal. Está acima de todos os acontecimentos, de todas as sensações ou emoções de que se pode ter experiência. Nos momentos trágicos é que se tem a consciência de que a vida é efémera. Por aqui, faz-se a retrospectiva dos momentos em que todos passámos na companhia do Bigolas. Mais do que a revolta, fica a tristeza que, entretanto, foi secando as lágrimas de um grande e violento Rio. Resta a reflexão. Resta também o sorriso dele porque esse, ninguém o poderá tirar. Nunca.

13 julho, 2006

Sócrates

Foi, esta noite, entrevistado no Telejornal da SIC. Como comunicador exímio que é, Sócrates manteve o discurso dos últimos tempos mas com uma preocupação centrada no facto de que a sua mensagem chegasse junto dos portugueses de forma directa e sem interferências. Recorreu assim, frequentemente, a exemplos não só da vida quotidiana mas também da própria acção do governo nas mais diversas áreas. E fê-lo de uma forma simples e auto-explicativa
Basicamente, o que se pode retirar do discurso do PM foi, na essencialidade, a Confiança. Ao definir um rumo objectivo das suas políticas, procurou centrar a acção do seu governo segundo 3 objectivos padrões: o “pôr ordem” no Estado-Administração (assumindo-se, Sócrates, ele próprio, como um “Reformista”); a garantia da sustentabilidade do Estado social (assente na melhor prestação de serviços à população); e o reequilíbrio das finanças públicas. Neste último ponto, Sócrates garantiu aquilo que os portugueses mais queriam ouvir: não vai aumentar os impostos. Mesmo confrontado com o facto de, no período eleitoral, ter prometido o mesmo, o primeiro-ministro, inteligentemente, explicou que hoje a situação é diferente. Na realidade, compete hoje ao governo garantir a redução do défice através de uma diminuição das despesas (de um Estado tão esbanjador como o nosso) e não de um aumento de receitas extraordinárias, absolutamente necessárias numa altura em que o défice real não correspondia ao que era transmitido…
Sócrates consegui ao longo de toda a entrevista manter uma postura e um discurso de extrema segurança e confiança em si mesmo que, quase a todo o custo, tenta transmiti-la ao país. E neste ponto sejamos justos: Sócrates é um visionário numa actual política portuguesa tão “morta” e repetitiva onde a ausência de representatividade do PSD, as mesquinhices do PP, as repetições dos Comunistas e a política barata do BE são as suas principais características .

P.S.- Uma última palavra ainda para a “laranja” Maria João Avillez. Acho que, no papel de pura entrevistadora esteve bastante mal uma vez que interrompia Sócrates sucessivamente, chegando mesmo a debater directamente com o seu… entrevistado. Todavia, percebe-se perfeitamente esta atitude. Com opções políticas bem definidas, Avillez tentou desempenhar, aqui, hoje, o que o líder do seu partido tentou fazer no dia anterior, no parlamento. E fê-lo bem melhor, convenhamos.

11 julho, 2006

Ainda na Alemanha

"Se perdermos a guerra, não me preocupa que as pessoas nela morram.
Não verterei uma única lágrima por elas;
Porque não mereceram melhor."
Adolf Hitler

10 julho, 2006

A Analogia

"Confrontar o jogo palavroso, romântico e belo de Portugal com a terrível eficácia alemã lembra-nos que somos bem melhores a discutir do que a concretizar"
Manuel Carvalho, PÚBLICO, 10-07-2006

09 julho, 2006

Itália

E o vencedor do Mundial foi a Itália. É a vitória do futebol ultra-defensivo e pouco espectacular. Ainda assim, parece que a vítória italiana era, em termos económicos, o melhor que poderia ter acontecido para a União Europeia. Enfim, depois de ver 2 horas de mau futebol, fico com a sensação de que poderiamos ter lá estado nós...
Há, ainda, que reservar uma palavra para Zidane. Um acto estupidamente irreflectido faz com que um dos melhores jogadores de sempre se despeça do futebol com uma expulsão. Foi pena.

06 julho, 2006

A Derrota

Pela primeira vez, perdemos. Não interessa se foi justo ou injusto, se assegurámos a vitória moral ou não, enfim, perdemos (aliás, da mesma maneria em que já ganhámos outros jogos), e pronto. Pode ser que, se Scolari se mantiver como seleccionador, consigamos lá chegar. Um dia. Ah, o facto do Pauleta dizer adeus à selecção deve ajudar...

05 julho, 2006

Ezekiel 25:17

"The path of the righteous man is beset on all sides by the inequities of the selfish and the tyranny of evil men. Blessed is he who, in the name of charity and good will, shepherds the weak through the valley of darkness, for he is truly his brother's keeper and the finder of lost children.
And I will strike down upon thee with great vengeance and furious anger those who attempt to poison and destroy my brothers. And you will know my name is the Lord when I lay my vengeance upon thee!".

(in Pulp Fiction)

04 julho, 2006

O Dia da Independência

Celebra-se hoje. A 4 de Julho.

02 julho, 2006

Jardim Fedorento

A RTP que se cuide. Depois de ter perdido a corrida pelas transmissões do Mundial (se bem que com programas absolutamente inóquos de 4 horas em que se discute, entre outras ridicularidades, quais as refeições ideais para os jogadores...), está mesmo em risco de perder as audiências do famoso programa "gato fedorento". De facto, Jardim, no campo do humor, não dá qualquer tipo de hipóteses:

O presidente do governo regional da Madeira, Alberto João Jardim, pediu no sábado ao Presidente da República que demita o Governo, sem eleições antecipadas, e forme «um governo de unidade nacional provisório senão isto vai ser o descalabro».

A Vitória

É impossível contornar o dia de ontem. Infelizmente para alguns analistas, Portugal passou mesmo às meias-finais, algo que só tinha acontecido há, precisamente, 40 anos (quando jogava um rapazito moçambicano que tinha algum jeito para jogar futebol). Tão bom como a vitória de ontem, foi a derrota do Brasil. Agora, que tragam a taça.

01 julho, 2006

Politiquices e Futebolices



Oxalá me engane mas acho que esta eurofia generalizada pelo país fora termine numa forte desilusão para todos os portugueses. Frases como "na quarta era espectacular ganharmos ao Brasil" ou "vamos festejar todos para o Marquês" são bem evidenciadoras daquilo a que chamo de "arrogânica futebolístico-populista". É por isso que temo uma derrota da selecção, frente a uma Inglaterra que - sejamos realistas - no plano teórico é bem mais forte.
Como já li por aqui, Sócrates teve o mérito de "escolher" o dia da operação (isto é, da saída) de Freitas do Amaral, precisamente na véspera do jogo. Num dia de Portugal - Inglaterra quem está preocupado com "politiquices"?

30 junho, 2006

Freitas

Após 1 ano e tal de Governo, eis que surge a primeira baixa. Noticia a SIC Notícias que Freitas do Amaral abandonou o Governo, alegadamente por "razões de saúde". Enquanto foi necessário (e possível, acrescente-se...) sempre defendi Freitas do Amaral como, por exemplo aqui, aquando na questão dos Cartoons islâmicos. No entanto, confesso: a sua saída não é, decerto, insubstituível.

P.S.- Luís Amado irá ocupar o MNE, enquanto que Severiano Teixeira irá substituir este na Defesa. A ver vamos.

29 junho, 2006

Life as we Know it

Como todos sabem (excepto talvez Pacheco Pereira), Portugal joga no sábado, às 16, com a Inglaterra. Os ingleses, esses, se não andam aí a destruir os centros históricos da cidade onde vão jogar, estão, através da sua imprensa dita “tablóide” a “massacrar” o país que se segue no seu calendário de jogos. Publicam entrevistas falsas, põem o Mourinho ao barulho e chamam de “batoteiros e violentos aos portugueses” o que, bem vistas as coisas, até pode ter alguma veracidade...
Entretanto, enquanto algumas das mais importantes fábricas se deslocam para leste, o Governo, devido à “futebolização” do último mês vai continuando a aplicar as suas medidas (correctas, diga-se) sem qualquer tipo de oposição porque, de facto, os partidos que a representam estão, cada vez mais mais, condenados ao despercebimento. Pelo menos nesta legislatura.
Em Timor, parece que o Primeiro-Ministro Alkatiri sempre se vai demitir. Depois de mais de um mês de conflitos armados, eis que este, finalmente, toma a sua primeira decisão acertada desde que foi eleito. Mas o problema não é do sr. Alkatiri. O problema é de quem propôs o referendo em 99 e se esqueceu de uma terceira opção (para além da independência ou da anexação à Indonésia) que foi a de: “Concorda com o restabelecimento de uma soberania provisória sobre o território por parte das autoridades portuguesas, de forma a preparar convenientemente o processo de independência de Timor?
Por cá, Portugal, assume-se cada vez mais como um país cosmopolita. Depois da “tecnologização” feita pelo Governo que põe o nosso país no 11º lugar da União Europeia a ter os serviços público na Internet, surgiu também, no nosso país, aquilo a que se pode chamar um Serial Killer. Parece que um militar reformado da GNR assassinou 3 raparigas em Santa Comba Dão. De facto, é caso para dizer que não é a primeira vez que Santa Comba pariu um monstro: depois de Salazar, eis agora um assassino em série. Com tantas maternidades a fecharem no país, não é caso para fecharem, aqui, também uma?

26 junho, 2006

Caravaggio

Parece mesmo que a sua "Nossa Senhora" foi o nosso 12º jogador (ou melhor, 10º jogador...). Scolari é, verdadeiramente, insuportável. Mas tem duas caraterísticas que o distingue dos outros: é inteligente, e tem uma sorte descomunal...

P.S.- Depois da Holanda, a Inglaterra. Ainda bem que a Grécia não foi ao Mundial...

23 junho, 2006

O Mais Caro de Sempre

O Retrato de Adèle Bloch-Bauer, de Gustave Klimt
135 milhões de dólares

Dúvidas...

Nova Democracia adere a EUD com europeias de 2009 em vista

Quem é que vai aderir? E vai aderir a quê?

A Laicidade

O CDS-PP desafiou hoje a maioria parlamentar do PS a levar a laicidade do Estado até às últimas consequências e acabar com o Bispo das Forças Armadas, com a bênção em inaugurações e com os feriados religiosos.

Por mim, não há qualquer tipo de problema. É da maneira que se aumenta a produtividade do País...

20 junho, 2006

A Energia Positiva

O Presidente da República, Cavaco Silva, defendeu hoje que a «energia positiva» gerada em torno da participação da selecção nacional no mundial de futebol a decorrer na Alemanha possa contribuir para um empenho «no desenvolvimento do País».

Por esta pequena declaração de Cavaco é possível confirmar aquilo que todos nós já sabemos: Cavaco não percebe nada de futebol. Ele que veja a "energia positiva" dos portugueses, neste fim-de-semana, quando formos eliminados pela Argentina ou pela Holanda...

Pyongyang

A Coreia do Norte referiu-se hoje, pela primeira vez, ao seu programa de mísseis, numa altura em que a administração norte-americana afirma que Pyongyang concluiu o processo de abastecimento de combustível de um míssil de longo alcance.

Não será já altura de a generalidade da Comunidade Internacional e os States em particular dedicarem um pouco mais de atenção a uma ameça bem mais real do que a constituída pelo Iraque e Afeganistão e, porventura, até mais séria do que a Iraniana?

18 junho, 2006

Os Cábulas

Parece que, segundo um estudo da Faculdade de Economia da Universidade do Porto, há uma "forte relação" entre a corrupção no mundo real dos negócios e a que existe na vida académica. Portugal, como não poderia deixar de ser, está lá bem no topo no que concerne a este tipo de estatísticas que tão desprestigiam o nosso país. Assim, cerca de 62,4% dos alunos universitários admitem copiar nos exames às vezes ou quase sempre. Se contarmos com a (forte) possibilidade dos próprios estudantes que negam essa fraude estarem, eles próprios a... mentir, esse número seria, decerto, bastante superior.
No entanto, podem-se extrair daqui algumas conclusões. Em primeiro lugar, os "executivos" (e não só...) aprendem, desde muito cedo (pelos vistos) como "vingar" na vida. Basta uma fácil analogia entre aquilo que se faz nos exames universitários e o modo burlesco como celebram contratos ou negócios para o comprovar. No entanto a produção de riqueza, enfim, a economia generalizada continua, e sempre cada vez mais, "nas ruas da amargura". Em segundo lugar, a burrice (peço desculpa mas não há outro nome) intrínseca dos estudantes portugueses: na pura e simples técnica do engano, do "safar" parece que são dos melhores do mundo só que nem isso lhes vale de nada pois, mesmo conseguindo copiar, a esmagadora maioria tem resultados absolutamente ridículos.
Afinal nem para extrair resultados concretos provenientes de "batota", os portugueses são bons. Aliás, somos maus em muitas outras coisas.

12 junho, 2006

A Naturalização

Juízes recusam nacionalidade a quem não sabe o hino

Será que o Deco sabe?

As Condecorações

As comemorações oficiais do Dia de Portugal, o primeiro de Cavaco Silva como Presidente da República, decorrem hoje no Porto, com forte presença das Forças Armadas e a condecoração de 26 personalidades, entre elas Rui Rio e Daniel Bessa.

Depois do grande alarido com as decorações de Jorge Sampaio no seu "adeus" à presidência da República, Cavaco Silva começou, no dia de Portugal, o seu desígnio nacional. Parece, no entanto, que quem anteriormente criticou Sampaio não o faz agora em relação a Cavaco. E isto por uma de duas razões: ou já foi condecorado ou sê-lo-á em breve. Por acaso não há por aí nenhuma "Ordem de qualquer coisa" para mim?

07 junho, 2006

A Fraude Alqueva

O BE requereu hoje a audição «com carácter de urgência» do ministro do Ambiente em sede de comissão parlamentar, para que Nunes Correia esclareça os planos do Governo para o Alqueva.

Passou um pouco despercebida esta situação, não só nos principais meios de comunicação social como também nos próprios partidos políticos. Só o B.E. (sempre defendi a utilidade deste partido na A.R. – desde que não ultrapasse o número de votantes que actualmente tem, claro -, exactamente para situações deste género) pediu um pedido de esclarecimento ao Governo. Parece que o chamado “novo plano do Alqueva” prevê a instalação de “22.500 (!) camas turísticas e vários campos de golfe”. Se esta situação se confirmar, sinto-me completamente ultrajado, burlado e enganado.
De facto, como é que é possível que o ministro do ambiente que projectou o Alqueva como algo de imprescindível, de fundamental para o próprio desenvolvimento, não só do Alentejo enquanto região mas de todo o Portugal como produtor e exportador agrícola, venha agora, enquanto primeiro-ministro permitir que se modifique por completo para um plano deste calibre? Depois de um dos maiores investimento públicos de sempre feitos no nosso país, depois de se ter entrado na megalomania do “maior lago artificial da Europa”, veio-se a concluir, hoje, que tudo não passou de uma farsa, que tudo foi projectado, muito provavelmente, para desenvolver não a (cada vez mais débil, extinta e, diria mesmo, inútil) agricultura nacional mas sim… o turismo! É óbvio que a área paisagista circundante como a própria construção em si privilegiam uma aposta no turismo naquela região. Mas passar de 480 camas previstas inicialmente no Plano de Ordenamento das Albufeiras do Alqueva e Pedrógão (POAAP) para 22.500, não será já uma injustificada alteração das circunstâncias?
Numa altura em que Portugal arrasta, desde há muito, o pesado fado do “estar na cauda da Europa” em termos de dívida pública, de descrença política e até de corrupção, esta situação de pura fraude política à volta do reordenamento do Alqueva, poderá constituir uma pesada e acentuada situação de desconfiança aos portugueses, exactamente o contrário do que o Governo – e bem – tem tentado incutir. Se sempre se confirmar, os portugueses sentir-se-ão enganados. E, desta feita, com razão.

06 junho, 2006

O Desafio

O líder parlamentar do PS afirmou hoje que a lei das incompatibilidades dos titulares de cargos políticos, se for aprovada na Assembleia da República, será aplicada em todo o território, «independentemente» da alteração do estatuto da Madeira.

Então, mas pensava que João Jardim não permitia a aplicação dessa Lei na "sua" região... Afinal, quem é que manda na Madeira? Será que é a República Portuguesa ou... Alberto João Jardim?

S. Judas Iscariotes


Amanhã uma assídua presença dos Devaneios, Fátima Pinto Ferreira - a autora do Cão Com Pulgas - fará a apresentação do seu livro "S. Judas Iscariotes". Quem costuma visitar o blog terá já reparado em vários excertos sobre este tema que tão bem domina. A apresentação ocorrerá pelas 18:30 na Fnac do Chiado e terá a participação do Prof. José Adelino Maltez, o que, desde já, garante credibilidade e rigor histórico a uma obra que se espera um sucesso.

05 junho, 2006

O Jardim Autoritário

«Esse senhor é mais um pára-quedista que veio dizer lérias e é irrelevante o que venham dizer», declarou Jardim sobre a visita de Alberto Martins.

"Quero, posso e mando", ou pelo menos o sr. João Jardim pensa que sim. Esquece-se é que a Madeira ainda não é independente. Oxalá o seja brevemente porque já não há (mesmo) paciência para tanta vulgaridade.

02 junho, 2006

O Veto da Lei da Paridade

Cavaco Silva finalmente decidiu “sair da toca” e começar a exercer as suas reais funções de Presidente da República (sim, porque as suas opiniões sobre a táctica que Scolari deve - ou deveria, se desse ouvidos a alguém – não contam). Não votei em cavaco e, muito menos, sou cavaquista ou fiquei contente com a sua vitória. Mas não podia estar mais em acordo com a sua primeira medida “a sério”. Tal como expressei e defendi aqui, esta Lei da Paridade não poderia ter aspirado a nada mais do que isto: ser definitivamente (para lá caminha…) rejeitada.
De facto, acho que esta lei levanta, desde logo, um problema não só político mas também de carácter social. Em primeiro lugar, a escolha dos candidatos que se apresentam a eleições deve ser feita de um modo livre e consciente pelos cidadãos. Assim sendo, devem ser colocados pelos líderes dos partidos políticos, aqueles candidatos que se afiguram como os melhores e mais aptos a desempenhar as funções políticas do país. A escolha deve ser rigorosa, independente do sexo e, principalmente, aferida em função de critérios, única e exclusivamente, de mérito.

Em segundo lugar, porque razão deve uma mulher ser beneficiada na colocação de listas, só pelo facto de ser do sexo feminino, apesar de, na prática ser menos competente para a actividade política do que um homem colocado atrás dela e com a real possibilidade de não vir a ser eleito? Como é que uma mulher política – que independentemente de ser boa ou não profissional – se irá sentir com a sensação de que “só está aqui porque é mulher e não por ser, deveras, mais competente que os outros”?

Na minha opinião, a emancipação das mulheres é algo que é – sejamos sérios – positivo para uma sociedade mais justa, solidária e equilibrada. Mas esse processo de “paritarização” tem de ser feito sem qualquer tipo de interferência política, já que, o que está em causa é a mudança de mentalidades, e esta deve ser prosseguida de um modo natural, progressivo e sedimentado.
A única solução está na própria consciencializão dos portugueses de que, progressivamente, a mulher assumirá uma papel cada vez mais preponderante na sociedade. É isso que acontece hoje nos cursos superiores em que a esmagadora maioria dos licenciados (e do próprio ingresso) são do sexo feminino. É isso que acontecerá amanha – como consequência disso mesmo – nos mais altos cargos da sociedade. Se será benéfico ou não? Penso que o tempo nos revelará a resposta mas, sinceramente, encaro isso com a mesma naturalidade com que este processo devia ser feito.
Afinal, somos Seres Humanos, cuja maior ou menor capacidade, seja ela de inteligência, de liderança, de trabalho, ou que resulte num bom desempenho não advém em nada do facto de sermos homens ou mulheres. Se não assumirmos isto é cair numa falácia tão grande como… a própria “Lei da Paridade”.

O Dia do Cão

"O Dia Nacional do Cão não é uma iniciativa do PSD, mas sim de uma iniciativa de um grupo de deputados, entre os quais (o líder parlamentar do PSD) Marques Guedes"

Parece que o PSD (apesar de, entretanto, ter já desmentido, referindo que se trata de um mera “iniciativa de um grupo de deputados, entre os quais o líder parlamentar do PSD, Marques Guedes”) propôs um “dia do cão”. Sinceramente, acho bem. Acho bem que haja um dia do “melhor amigo do Homem”, um dia de um animal tão inteligente (quiçá até mais do que muitos Seres Humanos e estes até com cargos soberbamente importantes como… representantes da nação, entre outros). E acho bem que um partido (ou o seu líder parlamentar, não interessa…) de tamanha importância e prestígio tenha uma participação tão positiva, tão empenhada, tão responsável e tão…inovadora numa altura em que o país está mergulhado numa das mais devastadoras crises económicas de sempre. Com este tipo de participações, até eu posso ficar descansado: a Assembleia está bem entregue.

30 maio, 2006

O Patriotismo

Os partidos decidiram hoje adaptar a agenda parlamentar de 21 de Junho ao horário do último jogo de Portugal na primeira fase do campeonato do mundo de futebol, contra o México, às 15:00, hora habitual de plenário.

Será que também posso mudar as datas dos meus exames? Será que um médico também pode mudar as datas das urgências? Será que um bombeiro também pode mudar as datas dos incêndios? Será que podemos mudar de sentido de responsabilidade e de ética profissional? Portugal (o verdadeiro) agradece.

29 maio, 2006

A Avaliação

Ministério propõe que pais participem na avaliação dos professores
Parece que o Ministério da Educação encontrou a fórmula mágica para o método de progressão das carreiras dos professores. Trata-se de uma medida tão ridícula que nessa satirização só é mesmo ultrapassada pelas suas justificações. Assim, parece que cabe aos pais dos alunos avaliarem os professores para que estes possam progredir nas carreiras. Pergunto-me qual a competência de um pai – que será parcial, inerentemente – quiçá analfabeto e que muito provavelmente não acompanha o percurso escolar do seu filho para classificar um professor? Não seria até mais lógico (isto é, até menos ridículo) ainda serem os próprios alunos de 10, 12 anos a classificarem, visto (ao menos estes) serem o objecto do trabalho do professor e os únicos a estar em contacto com os métodos por ele utilizados?
É esta permanente falta de um sentido de responsabilidade, esta falta de parâmetros de qualidade que as nossas escolas têm e que se pauta por um só objectivo: reduzir o insucesso escolar a todo o custo, fazendo com que todos os alunos passem para o ano seguinte sem sequer terem a necessidade de se esforçar para o merecer, denegrido a própria imagem do professor e fazendo com que a sua autoridade face aos alunos decresça com medo de… represálias!
Proponho antes que se avalie o desempenho deste Ministério. Sem dúvida, seria o “elo mais fraco” deste Governo. A nota da ministra, essa, pouco passaria do nível…0.

"Pergunto-me: mas os pais avaliam o quê? Se os professores são bonitos ou feios? Se as professoras usam ou não as saias curtas? Se vão à escola regularmente?"
Eduardo Prado Coelho in PÚBLICO, 29-05-2006

25 maio, 2006

O Regresso

Está de volta a casa o Maestro. Bem-vindo, Rui.

24 maio, 2006

Paradise Lost

Here at least we shall be free; th' Almighty hath not built
Here for his envy, will not drive us hence:
Here we may reign secure, and in my choyce
To reign is worth ambition though in Hell:
Better to reign in Hell, then serve in Heav'n.

John Milton - Paradise Lost (1667)

21 maio, 2006

A Certeza Duvidosa

Mário Soares diz que está «bem com o povo»

Com 14,3% dele, é verdade.

A Seriedade

Ontem dei de caras com Sócrates e os seus filhos, nas Amoreiras. Sem muito "estrilho", reservado e sem um único guarda-costas, passando quase como um desconhecido no meio do povinho, muito ao contrário do que tem sido hábito nos Primeiros-Ministros portugueses (pense-se no último, por exemplo). Esta sua segurança demonstra, no meu ponto de vista, a confiança que tem no bom governo que, em geral, está a comandar. Os portugueses sabem disso.

O Novo Congresso do PSD

A moção de estratégia global apresentada pelo líder do PSD, Luís Marques Mendes, no XXIX Congresso do partido foi hoje aprovada.
Parece que agora há congressos do PSD todas as semanas. É uma boa forma de abrirem os telejornais e ganharem alguma visibilidade mas, pessoalmente, já começo a ficar farto de tanta moção, de tantas directas, de tantos apelos. Preocupem-se, isso sim, em fazer oposição. Responsável, de preferência.

O Engenheiro

...do "penta", Fernando Santos, é o escolhido para novo treinador do Benfica. É uma péssima notícia para todos os adeptos encarnados que nem o mais-que-provável regresso de Rui Costa irá amenizar. Prognóstico? Não chega ao Natal...

19 maio, 2006

A Tentação

A Faculdade aperta. O calor também. Como resistir? Só me concentrando num objectivo concreto e ambicioso e, como Maquiavel, "não olhar a meios (neste caso, os prazeres da descontração) para atingir os fins".

16 maio, 2006

A Esperança

O ministro dos Negócios Estrangeiros português mostrou-se hoje esperançado, em Bruxelas, em que uma proposta «audaciosa» dos europeus possa servir de base para convencer o Irão a cessar o processo de enriquecimento de urânio.

Numa altura em que o tão invocado "choque de civilizações" parece ser praticamente uma realidade, a esperança que todos nós, pacifista, temos é na própria União Europeia. Com os "States", está visto: só podemos contar quando a questão se resume a opções belicistas.

14 maio, 2006

A Dívida Não-Surpresa

Marco de Canaveses: dívida superior a 71 milhões de euros

Era algo que, sinceramente, já esperava: uma estrondosa dívida que veio de uma desastrosa administração autárquica de um péssimo ser - Avelino Ferreira Torres. Ainda assim, como este, há também muitos outros casos onde as inúmeras dívidas, a descarada corrupção e os constantes escândalos abruptam. Felgueiras, Oeiras, Gondomar são apenas exemplos gritantes cujos presidentes, mesmo já se sabendo desta situação, conseguiram democraticamente ser reeleitos. Males da democracia, "o pior sistema político exceptuando todos os outros". Há que ter, pois, em conta esta situção no processo de regionalização (se, claro está, sempre avançar). O que seria de uma região administrativa a ter um presidente como Marco de Canavezes teve ao longo destes anos todos?

Os 5 Hábitos Mais Estranhos

Respondendo a este desafio proposto pelo Efeito Dopplersobre quais seriam os meus 5 hábitos mais estranhos, eis a resposta:

1º- Ter sempre na minha mesa-de-cabeceira um caderno onde aponte ideias, opiniões ou pensamentos que me surgem antes de adormecer ou mesmo depois de um sonho.

2º- Antes de alguma prova pessoal importante estar pelo menos 5 minutos em "concentração silenciosa".

3º- Ter um "Caderno de Filmes" onde aponto todos os filmes que vi, desde o primeiro (aos 4 anos de vida), com: título, realizador, data, intérpretes, local, acompanhantes e uma classificação pessoal.

4º Deitar-me tarde. Muito tarde.

5º Ler (o que, nos dias de hoje, e infelizmente, pode mesmo ser considerado... estranho).

11 maio, 2006

Vai de Carrilho

Manuel Maria Carrilho perdeu as eleições para a câmara municipal. Hoje, com a apresentação do seu livro, Carrilho perdeu novamente: mas desta vez, a oportunidade de estar calado. Sempre foi da minha deontologia pessoal a premissa de que perder é próprio dos fracos. Mas não assumir as nossas derrotas é algo ainda pior. É algo que ultrapassa todo o bom-senso acabando por provocar lesões quase irreparáveis na própria dignidade da pessoa. É essencialmente por esta razão que penso que Carrilho, com este seu livro “Sob o signo da verdade” acabou a sua própria carreira política. Qual será a reacção das pessoas quando Carrilho se apresentar novamente a eleições? Como será tratado por aquilo a que chama de “matilha”? Como é que algum futuro e possível adversário se poderá esquecer das (tristes) figuras que Carrilho fez e que, hoje, teve mais um capítulo?

Todavia, o livro tem a virtude de confirmar algo que já se sabe há algum tempo: Carrilho está encurralado (pela opinião pública, pelos cidadãos e até pelos próprios membros do PS) mas, pior do que isso, está paranóico e a “magicar” conspirações que, de facto, não existem. Sejamos sérios: Carrilho perdeu por culpa própria; Carrilho fez um vídeo de propaganda política com o seu filho recém-nascido por sua decisão (ou, pelo menos, com o seu consentimento); Carrilho não apertou a mão de Carmona, no final do debate, porque ficou ressentido com a estrondosa derrota que sofreu e não conseguiu separar “derrota política” com… “boa educação”; Carrilho fez uma péssima campanha, perdeu todos e quaisquer debates, enfim, não apresentou nada a que eu, por exemplo, como eleitor, acreditasse que iria cumprir. Ainda assim, Carrilho não teve a capacidade para perceber isso. Para mais, Carrilho cometeu o grave erro político de voltar a relembrar uma derrota sua (e por sua única e exclusiva culpa) disparando em todas as direcções e em todos os comentadores.
Carrilho esteve, mais uma vez, mal. Aliás, muito mal. Ainda assim, coerente com “a sua imagem”.

09 maio, 2006

A Estatística do Aborto

A cada minuto que passa acontecem dois abortos na UE

Se fossem contabilizados os efectuados (clandestinamente) em Portugal, esses dados seria, decerto, muito superiores. Esses ou os da taxa de mortalidade das mães durante o parto...