Devaneios de um Caminhante Solitário

11 março, 2006

Os Fundamentais

Cem mil portugueses considerados "fundamentais para o país", devido aos cargos que ocupam, vão receber antivirais em caso de pandemia provocada pelo vírus da gripe das aves.

Artigo 13º
(Princípio da Igualdade)

1. Todos os cidadãos têm a mesma dignidade social e são iguais perante a lei.
2. Ninguém pode ser privilegiado, beneficiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrumentação, situação económica, condição social ou orientação sexual.

(in Constituição da República Portuguesa)

10 Comments:

  • Agora só tens de dizer que acreditas piamente nesse princípio abjecto da Constituição.

    Compreendo a medida. Afinal, Orwell limitou-se a descrever a realidade ao fazer um porco falante escrever que somos todos iguais, mas há uns mais iguais do que outros.

    Obviamente, tenho dúvidas quanto à lista até porque, provavelmente, haveria algum membro do actual Governo entre os escolhidos o que, só por si, já indicava um desvio do critério da competência e da fundamentalidade. Além disso, de certeza que não incluíram o Eusébio, o Simão e até mesmo o Luisão, jogador tão português quanto Deco ou Derlei.

    Duma perspectiva mais séria, concordo plenamente. O país tem excesso de escumalha e, assim, poderíamos dar-lhe uma oportunidade de começar de novo, reunindo apenas as 99 pessoas fundamentais para o efeito. Como era de esperar, a outra sou eu, que até já fui contactado nesse sentido. Escolhi, sem pestanejar, a Soraia Chaves para me acompanhar na tarefa de elevar o nível intelectual do País, totalmente fornecido por moi meme. Soraia seria o meu incentivo, o meu apoio moral. Ah, gripe das aves, vem depressa!

    By Blogger JAS, at 11 março, 2006 22:34  

  • Afinal são cem mil. Não interessa. De qualquer modo, já fiquei com a Soraia Chaves!

    By Blogger JAS, at 12 março, 2006 01:42  

  • se quiseres podes smp postar o codigo civil. é giro!

    By Blogger Nuno Leitão, at 12 março, 2006 01:50  

  • A Soraia Chaves parecia-me uma óptima escolha para, se bem que não tornando mais inteligentes uma completa nova geração de habitantes deste País, pelo menos torná-los-ia mais "bonitas"...
    A Rita Andrade, Isabel Figueira, Rita Pereira, Merche Romero, Maria João Bastos e, vá lá, a Joana Duarte, também poderia estar incluidas... Tudo o resto seria inconstitucional - material, com desvalor (não nulidade mas...) Inexistência!

    By Blogger Caminhante Solitário, at 12 março, 2006 01:55  

  • A justificação do Ministério da Saúde também é importante explicar (até porque, estranhamente, tem lógica). Os primeiros a ser vacinados são os que trabalham em sectores fundamentais para o país: órgãos de soberania, forças de segurança, sectores estratégicos, entre outros.

    É um mito dizermos que somos todos iguais, como sabes, só o somos perante a lei (e mesmo assim, há excepções...).

    O que é que realmente faz sentido: dar a vacina a um médico ou jogador de basket? Dar a um polícia ou a um arrumador de carros? Dar ao homem do lixo ou a um empregado de um café? Não se trata de diminuir a importância das profissões, mas sim perceber quais as que são realmente fundamentais.

    Abraços

    PS - Estou com pouca cafeína no sistema, portanto desculparás se a lógica do Governo não está bem explicada - além do mais, é preciso inspiração para a explicar.

    By Blogger MB, at 12 março, 2006 15:36  

  • Merche Romero???? Que horror! Não só é descendente de espanhóis como, ainda por cima, já foi tocada pelo Cristiano Ronaldo. Não posso imaginar mulher mais desinteressante. Ou melhor, posso. E basta apenas um requisito: gostar do Cristiano Ronaldo.

    By Blogger JAS, at 12 março, 2006 17:17  

  • "O que é que realmente faz sentido: dar a vacina a um médico ou jogador de basket? Dar a um polícia ou a um arrumador de carros? Dar ao homem do lixo ou a um empregado de um café? Não se trata de diminuir a importância das profissões, mas sim perceber quais as que são realmente fundamentais."

    Um jogador de basket, um arrumador de carros e um empregado de café são tão dignos como todos nós. Compreendo que parte das vacinas devessem ser guardadas para governantes, agentes de segurança e trabalhadores na área da saúde, Porém, penso que aqui não estão 100 000 pessoas..

    By Blogger Pedro Malaquias, at 13 março, 2006 00:07  

  • Jas: não estou a par da relação Merche-Ronaldo, apesar de ter ouvido uns “zuns-zuns”, mas é óbvio, se esta se confirmar, não abona nada a favor dela. No entanto, mesmo assim, Merche não será uma mulher “tão desinteressante” como isso. Mas de gostos não se discute.

    MB: Também sou da opinião que se deve dar primazia a quem ocupe cargos importantes na sociedade e a quem, no limite, poderá, com as suas decisões e com o seu profissionalismo atenuar a catástrofe que se advinha. Mas agora… 100 mil? No mínimo, deveria ser da opinião pública, quem iria ser beneficiado. Espera-se, à boa maneira portuguesa, muitas “cunhas” e “favorezinhos”… e é isso mesmo, que deveria ser evitado.

    By Blogger Caminhante Solitário, at 13 março, 2006 17:34  

  • Os 100 mil são, provavelmente, um número muito exagerado. Mas quantos polícias há em Portugal? E enfermeiros? E médicos? E assistentes nos hospitais? E governantes? E afins?

    Se calhar 100 mil não é assim tão exagerado. Só funcionários públicos são 700 mil (para mal dos nossos pecados).

    Já agora, para responder ao pp, repito: "Não se trata de diminuir a importância das profissões, mas sim perceber quais as que são realmente fundamentais".

    By Blogger MB, at 15 março, 2006 17:18  

  • Penso que estamos de acordo que mais de um terço desses funcionários públicos, no limite, não podem ser considerados de "fundamentais" (antes pelo contrário...) Se a opinião pública conhecesse os nomes dos "fundamentais" - estilo "lista negra dos devedores ao fisco" - era bem mais "eticamente correcto".

    By Blogger Caminhante Solitário, at 15 março, 2006 19:40  

Enviar um comentário

<< Home