Devaneios de um Caminhante Solitário

01 maio, 2006

Sobre a Intervenção (Semi-) Presidencialista

Depois de alguns meses sem, literalmente, “dar sinal de vida”, Cavaco Silva parece que apareceu finalmente. E (talvez) pior do que isso, com extrema pujança. De facto, tudo começou com o discurso no Parlamento sobre o 25 de Abril. Aí, CS centrou-se – e bem, diga-se – num tema impossível de se criticar ou contrapor: a exclusão social (o que lhe mereceu os "levantados" aplausos de todos os partidos, excepto aqueles que têm como única função... criticar). Neste aspecto não podia estar mais em acordo, principalmente quando a certa altura lembrou “os sonhos que marcaram o 25 de Abril e, em jeito de balanço dos 32 anos, refere que ficámos (Portugal) muito aquém de concretização dessa visão de construção de uma sociedade com maior justiça social”. Esquece-se de dizer é que 1/3 desse tempo foi precisamente na altura do… seu governo e que, numa década quase inigualável em termos de um vasto rol de possibilidades conjunturais, fragilizou os governos que lhe sucederam. Já ontem, revelou, uma vez mais, que vai avançar com um roteiro de combate aos vários tipos de exclusão social, para o qual espera contar com o apoio do Governo.
Destas tomadas de posição do nosso PR, pode-se depreender duas conclusões que se afiguram óbvias: 1º- (como muito tenho por aqui – blogosfera – lido) Sendo o primeiro PR a não oriundo da luta anti-fascista e, consequentemente, da “esquerda”, prefere assumir, claramente, um discurso… socialista; 2º- Como hoje diz – e com legitimidade – António Vitorino, o sistema semi-presidencialista está em perigo; 3º- Mesmo com esta última referida conclusão, CS, para as suas funções executivas, continua a precisar da concordância e apoio do Governo.

2 Comments:

  • Não percebo este post.

    By Blogger Pedro Malaquias, at 01 maio, 2006 22:33  

  • Foi uma espécie de ensaio àquilo que foram as últimas intervenções de Cavaco Silva: Passa de despercebido a intervenções sucessivas (apesar de terem sido idênticas)sobre um tema programático: a exclusão social; faz um balanço negativo dos 32 anos de democracia onde, se desmarca daquilo que muito contribuiu para essa "negatividade", isto é, 1/3 desse período-> os seus governos de maioria; Por fim, entra-se numa outra contradição: apesar de - e bem - Vitorino ter referido que o "sistema semi-presidencialista está em perigo", ainda assim Cavaco necessitará do apoio do governo para esta nova função do PR português: a função executiva.

    By Blogger Caminhante Solitário, at 02 maio, 2006 01:18  

Enviar um comentário

<< Home