Devaneios de um Caminhante Solitário

18 junho, 2006

Os Cábulas

Parece que, segundo um estudo da Faculdade de Economia da Universidade do Porto, há uma "forte relação" entre a corrupção no mundo real dos negócios e a que existe na vida académica. Portugal, como não poderia deixar de ser, está lá bem no topo no que concerne a este tipo de estatísticas que tão desprestigiam o nosso país. Assim, cerca de 62,4% dos alunos universitários admitem copiar nos exames às vezes ou quase sempre. Se contarmos com a (forte) possibilidade dos próprios estudantes que negam essa fraude estarem, eles próprios a... mentir, esse número seria, decerto, bastante superior.
No entanto, podem-se extrair daqui algumas conclusões. Em primeiro lugar, os "executivos" (e não só...) aprendem, desde muito cedo (pelos vistos) como "vingar" na vida. Basta uma fácil analogia entre aquilo que se faz nos exames universitários e o modo burlesco como celebram contratos ou negócios para o comprovar. No entanto a produção de riqueza, enfim, a economia generalizada continua, e sempre cada vez mais, "nas ruas da amargura". Em segundo lugar, a burrice (peço desculpa mas não há outro nome) intrínseca dos estudantes portugueses: na pura e simples técnica do engano, do "safar" parece que são dos melhores do mundo só que nem isso lhes vale de nada pois, mesmo conseguindo copiar, a esmagadora maioria tem resultados absolutamente ridículos.
Afinal nem para extrair resultados concretos provenientes de "batota", os portugueses são bons. Aliás, somos maus em muitas outras coisas.

1 Comments:

  • Em Espanha, cerca de 70% dos alunos universitários admitia copiar um pouco, tal como os 63% portugueses. Não é estranho? Eles copiam mais, mas também são mais desenvolvidos. É a prova de que, neste país, nem as fraudes são bem feitas. Um pitéu.

    By Blogger JAS, at 21 junho, 2006 11:07  

Enviar um comentário

<< Home